"A praga da tradição oral" – Conversa orientada por Carlos Nogueira, com a presença de habitantes de Monte Gordo

Realiza-se no próximo dia 12 de Setembro em Cacela Velha (entre a Igreja e a Fortaleza), pelas 19 horas, a conversa “A praga da tradição oral” orientada por Carlos Nogueira e com a presença de habitantes de Monte Gordo, onde a tradição se mantém ainda viva.

Sobre a praga da tradição oral

Deveremos bendizer ou maldizer a “praga”, esse texto que toda a gente diz, mesmo que não o admita? Deveremos cultivá-la ou evitá-la? Talvez se deva começar por olhar para a “praga” sem preconceitos; se o fizermos, estaremos a olhar para nós e a compreender-nos melhor.

A “praga”, tal como a conhecemos hoje, é sobretudo um texto que cada um diz de si para si. Costumamos ver na “praga” apenas ressentimento e má-fé, maldade; mas a “praga”, enquanto texto que visa destruir alguém ou alguma entidade, também pacifica e evita equívocos e males maiores.

A “praga” é, ou pode ser, um texto de conhecimento do eu e do outro.

Exemplos de pragas recolhidas em Monte Gordo e na Fuzeta por Luciano Rodrigues (in Revista da ADIPACNA, nº3, 1981)

. Permita Deus que fiques tão magro, tão magro, que possas passar pelo fundo de uma agulha de braços abertos.
. Havia ela de apanhar tanto sol que até se derretesse e fosse preciso apanhá-la às colheres como à banha.
. Não sabia nascer-te um treçolho tão grande, tão grande, que até encobrisse o sol!
. Permita Deus que tenhas de andar tanto que gastes os pés e as pernas até à cintura.

A conversa integra-se no Ciclo “Palavras sobre a ria”. Palavras sobre a ria: como no tempo em que as pessoas se juntavam na rua, vagarosamente, para falar das coisas do mundo… É isso que procuramos recuperar: conversas que juntem memórias e reflexões sobre o futuro, sobre o que perdemos e ganhámos, sobre o que nunca será possível perder por um dia nos ter pertencido.

Aos domingos, pelo final da tarde, com os areais e as águas da península de Cacela a servir de fundo, regressam as Palavras sobre a Ria: para se falar de camaleões, de tradições orais ou de cabanas de pescadores; entre arquitecturas efémeras, conservação da natureza ou patrimónios que teimam em permanecer vivos. É esse, mais uma vez, o convite: conversarmos sobre as coisas do mundo.

Organização
Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela
Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Participe! Esperamos por si!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s