Category: Actividades educativas

OFICINA “Figos cheios, estrelas de figo e bombons de figo”

 

Oficina Entraçar Cana

Por altura do dia de “Todos os Santos”, que anuncia um ciclo de festividades ligado ao Culto dos Mortos, era tradição por todo o Algarve confeccionarem-se os figos-cheios, bombons de figo e estrelas de figo, por vezes chamados de “Santos”.

O figo e a amêndoa, terminada a época da apanha, eram os ingredientes principais destas iguarias que eram oferecidas a familiares e amigos, degustadas no dia de todos os Santos e Dia dos Finados com um cálice de aguardente, ou oferecidas à criançada que no dia 1 de Novembro batia de porta em porta com um saco de pano ou uma cestinha a pedir “pelos Santos” ou pelas alminhas.

Nesta oficina, para o público em geral, vamos partilhar receitas e experimentar a sua confecção.

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

Sujeito a inscrição prévia

Valor- 7 € – pessoa; 10 € – adulto + criança

 

Anúncios

OFICINA Talegos para o Pão por Deus

Poster - Oficina Talegos.jpg

O Dia de Todos os Santos e dos Finados (1 e 2 de Novembro) inauguram em Portugal o ciclo festivo do Inverno, dedicado ao culto dos antepassados. Ainda hoje se fazem romagens aos cemitérios, limpam-se as campas, colocam-se flores e acendem-se lamparinas.

Os “Santos”, bem como as Janeiras ou os Reis, são períodos de peditórios. Era costume as crianças andarem de porta em porta com um talego (um saco de pano), pedindo pelos santos, pelas almas ou pelos defuntos, dizendo expressões como:

Pão por Deus.

Bolinho, bolinho, / Pela alma do defuntinho.

Bolinhos e bolinhos / Para mim e para vós. / Para dar aos finados / Qu’estão mortos, enterrados.

Bolos, bolos, / Em honra dos Santos todos. / Bolinhos, bolinhos, / Em honra dos Santinhos.

Recebiam no saco: bolinhos, figos secos, amêndoas, nozes,… Acreditava-se que por cada bolo oferecido se libertava uma alma do seu penar.

Estas antigas tradições e crenças que marcam os primeiros dias de Novembro e que fazem parte da identidade cultural do nosso país, encontram-se profundamente ameaçadas com a progressiva implantação do “Halloween”, uma tradição anglo-saxónica que se vem alastrando com claros interesses comerciais.

Nesta oficina desafiamos crianças e familiares a conhecerem esta antiga tradição do “Pão por Deus” e a dar-lhe continuidade no dia 1 de Novembro, utilizando os talegos que nos propomos costurar.

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

Sujeito a inscrição prévia

Valor – 5 € (1 criança e 1 adulto)

Trazer: retalhos de tecido, agulha e linhas

OFICINAS DE VERÃO NO CIIPC

Oficinas Verao CIIPC 2017

Começam no final de Junho as Oficinas de Verão, no CIIPC em Santa Rita, para crianças e jovens. Estão abertas as inscrições!

27 de Junho (Terça-feira) – Papagaios de papel

4 de Julho (Terça-feira) – Teares com materiais naturais

11 de Julho (Terça-feira) – Arqueologia

18 de Julho (Terça-feira) – Olhos de Deus e mandalas de lã

Local

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga escola primária de Santa Rita

 Público-alvo

Crianças e jovens, entre os 6 e os 14 anos

 Horário

9h30 – 12h30

 

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600

ciipcacela@gmail.com

https://ciipcacela.wordpress.com

Vagas limitadas. Inscreva-se com antecedência.

Participação gratuita

 Organização

Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

 

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

Poster - Maios_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias (já menos frequentes), são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Este ano em Santa Rita, em estreita colaboração com os habitantes da aldeia, vamos reviver esta antiga tradição festiva tão característica na região.

Os Maios que sairão à rua vão recriar provérbios da nossa tradição oral e foram elaborados pelas muitas pessoas, de todas as idades, que se envolveram na iniciativa: população local, EB2,3 de Vila Nova de Cacela, utentes da Asmal, Casas do Avô de Monte Gordo e Vila Real de Santo António e crianças no âmbito de Oficina de Páscoa organizada no CIIPC.

Visite Santa Rita nos dias 30 de Abril e 1 de Maio!

OFICINA DE PÁSCOA “Vem criar um Maio”

Poster - Oficina Pascoa Maios_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias já menos frequentes, são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Nesta oficina vamos conhecer estas festividades antigas associadas ao ciclo da Primavera criando Maios que sairão à rua em Santa Rita nos dias 30 de abril e 1 de Maio, encenando provérbios da nossa tradição oral. As crianças envolvidas participarão desta forma na iniciativa “Maios na Aldeia de Santa Rita” que conta com a participação activa dos habitantes da aldeia

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

Para crianças a partir dos 6 anos

Participação gratuita mas sujeita a inscrição prévia

 

OFICINA – Massa-Madre: a Química do Pão com Variações Algarvias

Poster - Oficina Massa-Madre.jpg

O pão é um dos alimentos mais queridos e o seu processo de fabrico é de uma simplicidade misteriosa. Compreender as suas partes, a vida que leveda a massa e as possibilidades de enriquecê-lo com inúmeros ingredientes locais é o princípio da desmistificação dos boatos que o descrevem como difícil de fazer numa cozinha vulgar.

A massa-mãe é o fermento natural que leva um pouco de nós de fornada em fornada e que pode ser partilhado com os outros – e aqui pode dizer-se que aquilo que leveda o pão, o que o faz crescer, pode levedar também as relações entre as pessoas.

Se por um lado não é necessariamente verdade que é preciso amassar muito para se obter um bom pão, também reconheceremos que dar voltas à massa é um exercício de descontração incomparável.

Fazer a merenda, o jantar e a sobremesa a partir da mesma bola de massa é um desafio à criatividade e uma janela de possibilidades que, não parecendo, pode facilitar a quotidiana procura de uma alimentação consciente sem prescindir do prazer de comer.

A oficina terminará com a cozedura do pão num forno tradicional na aldeia de Santa Rita.

Luísa Teixeira

Formou-se na cozinha da avó Arminda, um espaço integrado numa casa de campo e equipado de maneira tradicional, tendo vindo a praticar uma cozinha de continuidade desde a infância, participando e experimentando, copiando e reinventando à medida dos recursos do seu tempo. É produtora de uma pequena série de conservas de ingredientes locais e sazonais.

Trazer

Avental e protecção para o cabelo.

Frasco de vidro ou saquinho para o transporte da massa-mãe.

Os participantes podem trazer algum elemento que lhes agrade para enriquecer o seu pão (ex: figos, amêndoas, alfarroba e algumas sementes).

 Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

Sujeito a inscrição prévia

Valor- 5 €

 

 

OFICINA DE CARNAVAL “Máscaras criativas”

Poster - Oficina.jpg

Orientada por Paulo Moreira, Kirsteen Ruffell e Rider Serra

CIIPC, Santa Rita – Domingo, 12 de Fevereiro, 15h00 às 18h00

Crianças (a partir dos 5 anos) e famílias

As máscaras, presentes em diferentes geografias, com formas muito distintas, representaram ao longo dos séculos, seres sobrenaturais, as divindades e os antepassados.

O Carnaval, no limiar da Primavera, aparece como vestígio de remotas cerimónias de purificação e expulsão das forças malignas do Inverno com vista ao renovar da natureza. É um tempo de excesso autorizado, de transgressão, de irreverência. Através das máscaras os homens misturavam-se com deuses, demónios, animais. Hoje, os mascarados, nos bailes e desfiles de Carnaval, confiantes no anonimato, brincam, extravasando impulsos reprimidos e criticam a ordem social.

A máscara distorce, exagera, estiliza, transfigura, simplifica, imita, inverte… A máscara oculta, mas também revela.

Criar a nossa máscara é imaginar e assumir uma outra identidade: velho, monstro, animal,…

É o que vamos fazer nesta oficina: criar a nossa máscara com plásticos recolhidos nas praias, ou vindos directamente das nossas casas, e outros materiais. A imaginação será o limite!

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com

Sujeito a inscrição prévia – valor- 5 €