Category: Programação Cultural

CICLO DE CONCERTOS CLÁSSICA EM CACELA REGRESSA EM OUTUBRO

Transmissão em directo através do facebook Clássica em Cacela https://www.facebook.com/classicaemcacela

O ciclo de concertos Clássica em Cacela recebe o jovem pianista Vasco Dantas para um recital no dia 14 de Outubro às 21:30h, no Club Farense em Faro, com transmissão em directo da página do facebook do Clássica em Cacela.

Esta 9ª edição não vai ter lugar em Cacela Velha, mas sim em Faro. Uma mudança excepcional que se deve ao facto de a Câmara Municipal de Vila Real de Santo António ter decretado recentemente o cancelamento de todos os eventos culturais e desportivos devido ao aumento súbito de novos casos covid-19 no município. A direcção artística deste ciclo é da competência de Teresa Matias, no entanto, a edição deste ano está, a título excepcional, a cargo da violoncelista Isabel Vaz.

O pianista internacional Vasco Dantas, que já conta com mais de 50 prémios e um debut no Carnegie Hall, Nova Iorque, em Novembro de 2019, vai apresentar em recital o seu novo CD “Poetic Scenes”. O tema deste programa é o ‘Belcanto’ num instrumento percutido (de cordas percutidas – o piano), e o seu conteúdo recai sobre obras para piano com inspiração vocal, especificamente fados para piano de três compositores portugueses (Alexandre Rey Colaço, Óscar da Silva e Eduardo Burnay), e Lieder (canções) de R. Schumann, transcritas para piano solo pelo compositor alemão, Carl Reinecke, as quais nunca foram publicadas e que são praticamente desconhecidas do mundo musical.

O preço dos bilhetes é 8€ e para sócios 5 €. Reservas através de classicaemcacela@gmail.com. Todas as normas de segurança da DGS serão observadas. É obrigatório o uso de máscara e o distanciamento físico.

Esta edição do Clássica em Cacela conta com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Algarve e da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António.

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

Poster - Maios na Aldeia de Santa Rita_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objectos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias (já menos frequentes), são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalavam a renovação da natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Este ano em Santa Rita, em estreita colaboração com a comunidade local, voltamos a reviver esta antiga tradição festiva tão característica na região.

Uma oportunidade única para ver, à entrada da aldeia, a grande e colorida manta de rosetas de crochet que saiu das mãos dedicadas das dezenas de pessoas da comunidade que durante 3 meses se envolveram neste projecto.

Visite Santa Rita nos dias 1 e 2 de Maio!

Programa no 1 de Maio

Percurso fotográfico

Feirinha tradicional

Animação

Consulte Normas de Participação no Percurso Fotográfico aqui:

Percurso fotográfico Maios_2019_Normas Participação

Participe!

Organização

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela / Câmara Municipal de Vila Real de Santo António  com a comunidade local

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

Poster - Maios na Aldeia de Santa Rita

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

A partir de quadras do cancioneiro popular

1 e 2 de Maio (durante o dia)

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias (já menos frequentes), são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalavam a renovação da natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Este ano em Santa Rita, em estreita colaboração com a comunidade local, voltamos a reviver esta antiga tradição festiva tão característica na região.

Visite Santa Rita nos dias 1 e 2 de Maio!

Programa no 1 de Maio

Percurso fotográfico

Feirinha tradicional

Jogos tradicionais

Consulte as Normas de Participação no Percurso Fotográfico. Participe!

Percurso fotográfico Maios_2018_Normas Participação

Organização

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela/CMVRSA com a comunidade local

POESIA NA RUA EM CACELA VELHA

Poster - Poesia na Rua

As ruas da vila histórica de Cacela Velha voltam a encher-se de poesia, a 16 de Setembro, com mais uma edição da «Poesia na Rua».

Durante todo o dia, os recantos desta localidade – onde as ruas possuem topónimos dedicados a poetas que escreveram sobre Cacela ou ali viveram – oferecem aos visitantes sessões de poesia, conversas, apresentações de livros, mesas redondas, um mercado de rua com livros e produtos locais, bem como oficinas criativas para os mais novos.

A iniciativa tem como ponto de partida a herança poética de Ibn Darraj al-Qastalli, natural de Cacela, onde nasceu em 958, bem como de outros poetas que nasceram ou se inspiraram em Cacela Velha, como Abû al-‘Abdarî, Sophia de Mello Breyner Andresen, Eugénio de Andrade, Teresa Rita Lopes ou Adolfo C. Gago.

E porque esta é uma festa em redor das palavras, haverá muitas obras para ler e consultar diante do magnífico cenário natural de Cacela Velha, bem como um «estendal de poesia» onde cada visitante será convidado a deixar o seu poema ou levar consigo aquele que mais gostar.

O programa começa às 10h30, com atividades para os mais novos, onde se destaca a caça ao poema, hora do conto, leitura de poemas e oficinas criativas: «Palavras que voam nas asas de uma borboleta» e construção de mandalas de lã a partir de poemas do livro «Pó de estrelas» de Jorge Sousa Braga.

A partir das 15h30 tem lugar a apresentação das obras «Púrpura Voz», de Adão Contreiras, «Este obscuro objecto do desejo», de Tiago Nené e do nº1 da revista «Poesia a Sul».

Ao longo da tarde, haverá ainda espaço para a conversa «Ontem, hoje, amanhã: a poesia do/no Algarve está viva e recomenda-se?», moderada por Fernando Cabrita e para a mesa redonda «Escrever Poesia – Porquê? Para quê? Para quem?» moderada por Adriana Freire Nogueira.

O programa integra também a performance «Quem quer ser poeta?», o percurso poético «A poesia é um imenso território de amor», bem como a apresentação de livros com os Poetas do Guadiana.

À noite, pelas 21h30, a festa da poesia encerra, com poemas ao ritual de Cacela – terra de poesia, onde cada participante poderá livremente declamar poesia. A sessão contará com o acompanhamento musical dos «Funkarmonica».

A «Poesia na Rua» é uma iniciativa organizada pela Câmara Municipal de Vila Real de Santo António / Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela. A entrada é livre.

Consulte o programa – Flyer – Poesia na Rua

NOITES D´ENCANTO

cartaz A3 NOITES D`ENCANTO 2017.jpg

A tolerância e a convivialidade distinguiram a história do antigo al-Andalus. O Mediterrâneo e os territórios que em torno dele se organizam sempre tiveram a capacidade de atrair gentes de diferentes culturas e diferentes credos e a localização geográfica do Algarve – o antigo Gharb –, um anfiteatro natural virado para o mar, sempre facilitou, desde a Antiguidade, trocas culturais e comerciais.

Cacela, importante núcleo urbano durante este período, foi um importante ancoradouro integrado nesta densa rede de ligações e, quando os barcos aqui aportavam, vindos do Levante, traziam sempre novas modas, novos produtos, novos costumes…

Após a reconquista, ocorrida no século XIII, e tendo em conta que a população moura tinha um peso enorme no sul do território, a essência da sua presença continuou a refletir-se nos hábitos, nos costumes, nas paisagens. Ainda hoje é possível sentir de forma indelével o aroma dessa época de esplendor.

São esses tempos que pretendemos revisitar nesta 5ª edição das Noites d’Encanto. Ao longo de 4 dias, de 13 a 16 de Julho (entre as 18h00 e as 00h00), música, dança, gastronomia, mercado, animação, exposições e conversas marcarão presença nas ruas de Cacela.

Mais de 70 artesãos de diferentes culturas e credos irão conviver em harmonia e mostrar aos milhares de visitantes as suas tradições, artes e sabores.

Nesta edição, estará em destaque a música folk árabe e danças tradicionais da Síria, Turquia e Egito (sufi, tanora, bastão e espada) com os bailarinos sírios Rifai Hambrouch e Mosbah Karman. Haverá também diariamente um workshop de instrumentos de percussão do mundo árabe

Na programação cultural destaca-se a exposição “Mourasencantadas a Sul” de Sofia Pinto Correia no Pátio da Casa do Pároco, a que se associam diariamente uma série de propostas sobre este universo do nosso imaginário popular: narração de histórias e lendas, oficina criativa e tertúlia.

Este ano, o Cemitério Antigo de Cacela Velha, voltará a converter-se num salão de jogos de tabuleiro islâmicos (com a colaboração do Município de Alcoutim). Os jogos representam uma das faces lúdicas da atividade humana, desde tempos imemoriais. Os cristãos e os árabes deixaram-nos uma forte tradição lúdica, que constitui mais uma marca no nosso património cultural.

De 13 a 16 de Julho, a música e dança, a gastronomia, o souk (mercado de artesãos) marcarão presença num evento que se carateriza pela beleza da simplicidade.

As Noites d’Encanto, na sua 5ª edição, são uma organização conjunta da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António / CIIPC, Ibérica – Eventos e espetáculos e ADRIP – Associação de Defesa do Património de Cacela.

Consulte o programa.

Apareça e junte-se à festa!

PROGRAMA NOITES D`ENCANTO

18:00 – Abertura do Souk – Mercado de Artesãos

18:00…00:00 – Espaço de Jogos Islâmicos no Antigo Cemitério

18:00…00:00 – Exposição “Mourasencantadas a Sul” de Sofia Pinto Correia no Pátio da Casa do Pároco

18:00…00:00 – Espaço de relaxamento com música árabe contemplativa

19:00…19:30 – Workshop de percussões árabes

19:30 (13 Julho) – Histórias das 1001 Noites para crianças e famílias

19:30 (14 Julho) – “Mouras Encantadas” – percurso por Cacela Velha com narração de lendas para crianças e famílias

18:30 (15 Julho) – “Era uma vez uma moura encantada” Oficina criativa de artes plásticas a partir de uma lenda para crianças e famílias

19:30 (16 Julho) – “Da lenda ao rosto – da pesquisa à criação” Tertúlia sobre o trabalho da artista plástica Sofia Pinto Correia

20:00…20:30 – Músicas e danças tradicionais da Síria

21:30…22:00 – Dança Sufi: Ritual Sema

22:30…23:00 – Música Folk Árabe (animação de ria)

23:30…00:00 – Dança Tanora

00:00 – Encerramento do Souk

Exposição DOCUMENTAR ALGARVE INTERIOR

Para Web_Poster_Cacela

Inaugura no Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela/CMVRSA, em Santa Rita, na antiga escola primária, no dia 2 de Junho, 6ª feira, pelas 18h00, a exposição Documentar o Algarve Interior”.

“Documentar Algarve Interior” é simultaneamente o nome do projeto e o mote para esta exposição que nos leva a relembrar algumas das tradições populares e práticas expressivas que ainda se mantêm vivas e fazem parte da memória e identidade coletiva do interior algarvio.

Através de fotografias e histórias em filme pretende-se ilustrar verbal e visualmente o património cultural (imaterial e material), os territórios e as suas gentes enquanto verdadeiros protagonistas deste trabalho.

O projeto Documentar Algarve Interior tem como objetivos contribuir para a valorização do Património Cultural Local e promover a dinâmica em torno das Atividades Criativas ligadas à produção audiovisual na região. Os conteúdos vídeo foram realizados em colaboração com talentos criativos (filmmakers) locais, entre os anos 2010-2015. Esta iniciativa da associação Algarve Film Commission teve o apoio financeiro do PRODER e incidiu sobre os concelhos de Albufeira, Alcoutim, Castro Marim, Faro, Loulé, São Brás de Alportel, Tavira e Vila Real de Santo António.

A Exposição “Documentar Algarve Interior” é composta por 30 (trinta) fotografias e 9 curtas-metragens documentais, cuja tipologia se aproxima do registo etnográfico. A sessão de exibição dos filmes, com imagens recolhidas nos territórios acima mencionados, tem a duração aproximada de 60 minutos e legendas em inglês.

A exposição estará patente no CIIPC, Santa Rita até 7 de Julho de 2017 e pode ser visitada de segunda a sexta-feira no seguinte horário: 9h00 -13h00 e 14h00 – 17h00.

Informações

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela / Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel.  281 952600; ciipcacela@gmail.com

 

EXPOSIÇÃO – OS “MAIOS” E AS TRADIÇÕES FESTIVAS DO INÍCIO DE MAIO

Poster - Maios e Tradições.jpg

O primeiro dia de Maio é no Algarve dia de festa. Na região, a entrada no mês de Maio era assinalada com giestas penduradas nas portas para afastar o “Maio” (entidade maligna, personificação das forças negativas do Inverno). Logo pela manhã “atacava-se o Maio” comendo figos, ou bolo de figo, acompanhados por aguardente de medronho. Ao meio da manhã é ainda costume começarem-se a preparar os piqueniques familiares no campo, junto às ribeiras, onde não faltam os caracóis.

Em muitos lugares, ainda se fazem e colocam na rua, à porta das casas e ao longo das estradas, os Maios. Estes bonecos representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada, são feitos pelas populações e acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Ainda está viva na memória dos mais velhos a tradição irem as moças para o campo apanhar flores, para enfeitar a casa e o trono onde era sentada a Maia, uma menina vestida de branco e embelezada com fitas e coroas flores.

Todas estas tradições festivas são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Nesta exposição recordamos estas antigas tradições festivas e, para quem não teve oportunidade de visitar Santa Rita nos dia 30 de Abril ou 1 de Maio, mostramos alguns dos Maios que saíram à rua nesses dias, concebidos com a população local a partir provérbios da nossa tradição oral.

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

Poster - Maios_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias (já menos frequentes), são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Este ano em Santa Rita, em estreita colaboração com os habitantes da aldeia, vamos reviver esta antiga tradição festiva tão característica na região.

Os Maios que sairão à rua vão recriar provérbios da nossa tradição oral e foram elaborados pelas muitas pessoas, de todas as idades, que se envolveram na iniciativa: população local, EB2,3 de Vila Nova de Cacela, utentes da Asmal, Casas do Avô de Monte Gordo e Vila Real de Santo António e crianças no âmbito de Oficina de Páscoa organizada no CIIPC.

Visite Santa Rita nos dias 30 de Abril e 1 de Maio!

MARÇO, MARÇAGÃO COM VITORINO E CARLOS MOTA DE OLIVEIRA

Poster EXPOSIÇÃO PARA ALÉM DO BRANCO

 

Domingo, dia 12 de Março, pelas 18h, o CIIP Cacela, em Santa Rita, acolhe:

MARÇO, MARÇAGÃO COM VITORINO E CARLOS MOTA DE OLIVEIRA

Música e poesia

Com a participação de Zé Francisco e Janaca

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Lugares limitados. Aconselha-se reserva antecipada

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com