MERCADINHO DE VERÃO EM CACELA VELHA – 25 Junho

Poster - Mercadinho de Verão

Inscrições abertas até 12 de Junho

Cacela Velha prepara-se para receber, no próximo dia 25 de Junho (Domingo), mais um Mercadinho de Verão. Artesanato tradicional (empreita, cestaria, latoaria, cerâmica, trapologia…) e novas criações; produtos alimentares da região como o mel, pão, bolos, compotas, licores; flores; cremes e sabonetes naturais; brinquedos artesanais; velharias e artigos em segunda mão (discos, cd´s, livros, roupa, brinquedos, quadros,…), livros e música voltam a marcar este Mercadinho.

Se estiver interessado em participar, preencha a respectiva ficha de inscrição (em anexo) e reencaminhe-a até ao dia 12 de Junho (2ª feira) para os emails abaixo indicados. As fichas de inscrição para venda de artesanato e produtos alimentares devem vir acompanhadas de fotografias dos produtos, que serão apreciadas no processo de selecção.

À semelhança de mercadinhos anteriores, vamos ter uma área com petiscos. Se desejar participar com venda de produtos alimentares para consumo no local, entre em contacto connosco.

Junto enviamos documento com as regras de participação nos Mercadinhos de Cacela.

Participe e divulgue!

Organização

CMVRSA/ CIIPC – Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Contactos: 281 952 600; ciipcacela@gmail.com

ADRIP – Associação de Defesa, Reabilitação, Investigação e Promoção do Património Natural e Cultural de Cacela

adrip.cacela@gmail.com

 

Ficha de inscrição_Artesanato_Verão_2017

Ficha de inscrição_Prod_alimentares_Verão_2017

Ficha de inscrição_Velharias_Verão_2017

 

 

EXPOSIÇÃO – OS “MAIOS” E AS TRADIÇÕES FESTIVAS DO INÍCIO DE MAIO

Poster - Maios e Tradições.jpg

O primeiro dia de Maio é no Algarve dia de festa. Na região, a entrada no mês de Maio era assinalada com giestas penduradas nas portas para afastar o “Maio” (entidade maligna, personificação das forças negativas do Inverno). Logo pela manhã “atacava-se o Maio” comendo figos, ou bolo de figo, acompanhados por aguardente de medronho. Ao meio da manhã é ainda costume começarem-se a preparar os piqueniques familiares no campo, junto às ribeiras, onde não faltam os caracóis.

Em muitos lugares, ainda se fazem e colocam na rua, à porta das casas e ao longo das estradas, os Maios. Estes bonecos representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada, são feitos pelas populações e acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Ainda está viva na memória dos mais velhos a tradição irem as moças para o campo apanhar flores, para enfeitar a casa e o trono onde era sentada a Maia, uma menina vestida de branco e embelezada com fitas e coroas flores.

Todas estas tradições festivas são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Nesta exposição recordamos estas antigas tradições festivas e, para quem não teve oportunidade de visitar Santa Rita nos dia 30 de Abril ou 1 de Maio, mostramos alguns dos Maios que saíram à rua nesses dias, concebidos com a população local a partir provérbios da nossa tradição oral.

Percurso PASSOS CONTADOS “EM BUSCA DAS PLANTAS MEDICINAIS E SUAS APLICAÇÕES NA SAÚDE”

DSC_2261

Continuam os “Passos Contados”, passeios pedestres de interpretação da paisagem em Cacela e Vila Real de Santo António, em Maio, com o percurso:

EM BUSCA DAS PLANTAS MEDICINAIS E SUAS APLICAÇÕES NA SAÚDE

Passeio na natureza e oficina de plantas medicinais

Com o naturopata João Beles

7 Maio (Domingo) Ponto de encontro: 14h30 em Santa Rita

As plantas medicinais são uma biblioteca viva de conhecimento sobre a nossa saúde. Ao longo da tarde, iremos, com o naturopata João Beles, aprender qual a aplicação medicinal de cada uma das plantas que, nesta altura do ano, nascem espontaneamente nos caminhos de Santa Rita. O percurso terá a duração de 2 horas e a oficina no CIIPC de 1 hora.

João Beles, naturopata e acupunctor inscrito na ACSS. Professor de Naturopatia do IMT – Instituto de Medicina Tradicional de Lisboa desde 2003. Autor dos livros “Naturopatia, a natureza cura a natureza”, 2011 (reeditado em 2016) e “As plantas medicinais que emagrecem”, 2014. Divulgador científico de Naturopatia em vários congressos, revistas e programas de televisão. Membro do conselho científico da revista de saúde Prevenir desde 2006. Membro do Grupo de Peritos da ACSS para as Terapêuticas não convencionais.

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela/CMVRSA

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

As participações são limitadas. Inscreva-se com antecedência, deixando o nome e contacto.

Valor de inscrição – 3€ (passeio) + 2€ (oficina)

Organização

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela / Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

 

 

MAIOS NA ALDEIA DE SANTA RITA

Poster - Maios_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias (já menos frequentes), são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Este ano em Santa Rita, em estreita colaboração com os habitantes da aldeia, vamos reviver esta antiga tradição festiva tão característica na região.

Os Maios que sairão à rua vão recriar provérbios da nossa tradição oral e foram elaborados pelas muitas pessoas, de todas as idades, que se envolveram na iniciativa: população local, EB2,3 de Vila Nova de Cacela, utentes da Asmal, Casas do Avô de Monte Gordo e Vila Real de Santo António e crianças no âmbito de Oficina de Páscoa organizada no CIIPC.

Visite Santa Rita nos dias 30 de Abril e 1 de Maio!

OFICINA DE PÁSCOA “Vem criar um Maio”

Poster - Oficina Pascoa Maios_net.jpg

No Algarve, em muitos lugares, é tradição no primeiro dia de Maio, criarem-se os Maios ou Maias, enfeitá-los e colocá-los na rua. Estamos a falar de bonecos e bonecas representando pessoas, em tamanho natural, cheios com palha, trapos, jornais amachucados e vestidos com roupa usada. São feitos pelas populações com simplicidade e improvisação, comummente acompanhados de reproduções de animais, objetos de uso comum, encenando actividades quotidianas, com dizeres a propósito em prosa ou verso.

Bonecos, ou personagens vivas como as Maias já menos frequentes, são reminiscências de costumes arcaicos ligados ao fim do Inverno e ao eclodir da Primavera. Assinalam a renovação natureza e simbolizavam o poder fecundante da vegetação que desabrocha.

Nesta oficina vamos conhecer estas festividades antigas associadas ao ciclo da Primavera criando Maios que sairão à rua em Santa Rita nos dias 30 de abril e 1 de Maio, encenando provérbios da nossa tradição oral. As crianças envolvidas participarão desta forma na iniciativa “Maios na Aldeia de Santa Rita” que conta com a participação activa dos habitantes da aldeia

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

Para crianças a partir dos 6 anos

Participação gratuita mas sujeita a inscrição prévia

 

Percurso Passos Contados “CONHECER A FLORA DO ALGARVE”

flora cabeço

Estão de volta os “Passos Contados”, passeios pedestres de interpretação da paisagem em Cacela e Vila Real de Santo António. Este ano abrimos a 11ª edição, em Abril, com o percurso:

CONHECER A FLORA DO ALGARVE

Com o arquitecto paisagista Ricardo Canas

9 Abril (Domingo) – Ponto de encontro: 9h30 em Cacela Velha

A flora silvestre que marca e identifica a paisagem algarvia é de uma variedade e riqueza extraordinárias, constituindo-se no seu conjunto como um importante valor patrimonial a conhecer e preservar. Na verdade, o Algarve, fruto da sua situação geográfica e de condições edafo-climáticas particulares é um dos centros de maior diversidade botânica no nosso país, coexistindo espécies nativas com outras de diferentes proveniências mas que se encontram naturalizadas.

Neste percurso orientado pelo arquitecto paisagista Ricardo Canas, profundo conhecedor da nossa flora, começaremos com uma visita ao Jardim representativo da flora do Algarve na várzea de Cacela onde seremos recebidos pela sua guardiã Teresa Patrício. Trata-se de um valioso projeto de gestão e conservação da paisagem de Cacela onde podemos encontrar dezenas de espécies autóctones. De seguida partiremos de carro (nas viaturas dos participantes) até ao Pinhal do Cabeço (c. de 8 kms) onde ficaremos a conhecer uma grande diversidade de espécies, algumas muito particulares.

Ricardo Canas tem licenciatura em Arquitetura Paisagista (2006), mestrado (2011) e doutoramento (2015) em gestão e conservação de ecossistemas, tendo lecionado na Universidade de Évora e Universidade do Algarve (2012-2014) e é Prof. Convidado da Universidade do Algarve (2015-2016; 2016-2017). As atividades científicas desenvolvidas relacionam-se com estudos de investigação botânica e de ciências da vegetação (geobotânica), principalmente no Sul de Portugal.

Inscrições

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela/CMVRSA

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. 281 952600 | ciipcacela@gmail.com | https://ciipcacela.wordpress.com

As participações são limitadas. Inscreva-se com antecedência, deixando o nome e contacto.

Valor de inscrição – 3€.

Organização

Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela