Tagged: Fotografia

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA “LUZ SOBRE A RIA” NO CIIPC EM SANTA RITA

Poster Luz sobre a Ria

O Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela/CMVRSA acolhe a exposição “Luz sobre a ria”. Estarão expostas fotografias de Cacela Velha e Ria Formosa de 20 fotógrafos do Grupo F/18.1 que se associa à ADRIP – Associação de Defesa, Reabilitação, Investigação e Promoção do Património Natural e Cultural de Cacela numa campanha solidária para angariação de fundos destinados à recuperação do “Golfinho”, uma embarcação tradicional de pesca artesanal. As fotografias expostas podem ser adquiridas pelos visitantes revertendo o valor apurado para a recuperação da embarcação. São também aceites donativos.

Hoje conhecida por “Golfinho” esta lancha de madeira com mais de 20 anos e outrora usada na pesca de rede artesanal, é oriunda de Monte Gordo e representante da última geração destas embarcações. Destinada à demolição, foi doada à ADRIP para fins culturais. Atualmente encontra-se num estado de extrema degradação necessitando de recuperação urgente.

A exposição inaugura no próximo dia 24 de Janeiro, pelas 18.30no Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela, na Antiga Escola Primária de Santa Rita (Vila Real de Santo António), e contará com a presença de grande parte dos fotógrafos.

A exposição estará patente no CIIPC até 15 de Fevereiro e pode ser visitada de segunda a sexta-feira das 9.00 às 12.30 e das 14.00 às 17.00.

Apareça!

ACONTECEU EM 2012

Em 2012 o Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela / Câmara Municipal de Vila Real de Santo António continuou a dinamizar projectos e actividades em torno da investigação, interpretação, usufruto e educação para o património. Este ano, no contexto de dificuldades financeiras que se vive, o empenho, a vontade e a criatividade foram os principais ingredientes para dar continuidade ao trabalho que vimos desenvolvendo desde 2005. Investigação sobre a presença pré-histórica e islâmica em Cacela; apresentação de textos científicos em congressos; actividades regulares de interpretação do património (exposições, edições, percursos); projectos temáticos e oficinas com a comunidade educativa; qualificação e diversificação da oferta cultural em Cacela Velha marcaram o ano que passou.

Aqui fica o balanço “ilustrado”, para que possamos recordar os momentos vividos com tanta e tão boa companhia!

1. INVESTIGAÇÃO

 Continuação do Projecto “Pré-história e Megalitismo em Cacela” com o estudo dos materiais exumados nas escavações arqueológicas no túmulo megalítico de Santa Rita, em colaboração com a Universidade de Huelva.

 Continuação do estudo das cerâmicas islâmicas de Cacela Velha, compreendendo a criação de uma base de dados e estudo histórico da cerâmica (funcionalidades, produções locais, importações e paralelos).

Estudo laboratorial do material osteológico humano recuperado na Igreja Matriz de Cacela Velha em trabalhos de acompanhamento arqueológico realizados em 2010.

Preparação do estudo de colecções de malacofauna de Cacela Velha (sítios arqueológicos do Poço Antigo e Largo da Fortaleza), com a colaboração da Universidade do Algarve e da Associação Arqueológica do Algarve.

 Início do estudo da produção cerâmica em Cacela. Uma aproximação a partir dos testemunhos arqueológicos, fontes históricas e memórias orais. Rico em importantes barreiros explorados desde há muito, o território de Cacela revela uma produção de olaria e materiais cerâmicos para construção desde a pré-história, período romano, islâmico (como atestam produções locais identificadas em contextos arqueológicos recentemente estudados), até meados do séc. XX (Fábrica de Cerâmica de Cacela, na Fábrica, olarias em Santa Rita, e telheiro em laboração nas imediações do Cerro dos Barros), que importa estudar e valorizar.

2. VALORIZAÇÃO, DIVULGAÇÃO E USUFRUTO

Passeios e visitas

“Passos Contados”, o ciclo de passeios pedestres, dinamizado pelo CIIPC/CMVRSA, voltou a mobilizar este ano, na sua 6ª edição, muitas dezenas de participantes, propiciando novas experiências de interpretação da paisagem e do património. Realizaram-se 7 percursos, entre Abril e Outubro, com uma média de 25 a 30 participantes por passeio. Os passeios iniciaram em Abril com o Mestre José Salgueiro com quem ficámos a conhecer as ervas e os seus usos na medicina popular (14 Abril); seguiram-se Pássaros do campo. Reconhecer as aves, os ninhos e escutar cantos, com o ornitólogo Thys Valkenburg (6 Maio); Árvores centenárias no Algarve. Entre a botânica a história, com o arquitecto paisagista Fausto Nascimento (2 Junho); Mourinhos, mouras encantadas e tesouros. Lugares mágicos e lendas (passeio nocturno), com a contadora Inês Mestrinho (14 Julho); Animais da noite, animais do dia. Simbolismo, crenças e superstições na tradição popular portuguesa (passeio nocturno, com o biólogo Filipe Moniz e a arqueóloga Catarina Oliveira (4 Agosto); Tradições de pesca e mariscagem na Ria Formosa, com pescadores e mariscadores locais (15 Setembro); e por ultimo, O que nos dizem as casas. Histórias sobre a fundação de Vila Real de Santo António, com o arquitecto paisagista José Carlos Barros (20 Outubro).

Passeio Ervas medicinaisPasseio Pássaros do campoPasseio Pesca e maricagem

 Continuaram as visitas orientadas ao património de Cacela Velha e Santa Rita. Interpretar os testemunhos visíveis do passado, relacioná-los com a história da região, levantar hipóteses a partir de novos dados da investigação arqueológica, compreender as mudanças recentes na relação do homem com o território e os recursos locais, são alguns dos desafios das visitas que o CIIPC tem dinamizado, mediante marcação prévia.
As visitas dirigem-se a todos os interessados e são acompanhadas por técnicos do CIIPC, em português e inglês.
Destacam-se as visitas para grupos com a Associação Arqueológica do Algarve (Cacela Velha e Túmulo Megalítico de Santa Rita) a 15 de Junho; e com os formandos do Curso de Guias Turísticos (IEFP/CMVRSA) (Cacela Velha e Santa Rita) a 10 Julho.

visitaAAA_red

Participação e congressos e publicações

 Participação com apresentação de poster e comunicação intitulados “Mouras encantadas e encantamentos no Algarve. Um projecto educativo com a comunidade a partir da tradição oral” no 2.º COLÓQUIO INTERNACIONAL NARRAÇÃO ORAL HOJE: INSTRUMENTO, TRADIÇÃO E ARTE que decorreu na Universidade do Algarve, Faro, a 6 e 7 de Setembro.

Apresentação de poster intitulado “Tipologia e funcionalidade nas cerâmicas da casa I do bairro islâmico do Poço Antigo em Cacela Velha” no X CONGRESSO INTERNACIONAL – A CERÂMICA MEDIEVAL NO MEDITERRÂNEO, que decorreu em Silves entre 22 e 27 de Outubro. (clique aqui para visualizar o poster)

 Apresentação de comunicação intitulada “A presença de cinábrio em contextos megalíticos do Sul de Portugal: cronologia e redes de circulação” no VI ENCONTRO DE ARQUEOLOGIA DEL SUROESTE PENINSULAR, Villafranca de los Barros, Badajoz, 4 a 6 de Outubro.

 Submissão de dois artigos: “Primeiros resultados da análise dos restos faunísticos do bairro islâmico do Poço Antigo em Cacela”; e “O que comiam os nossos avós? A alimentação no Sotavento Algarvio. Um projecto educativo com a comunidade em Vila Real de Santo António” para publicação nas ACTAS DO ENCONTRO SABORES DO MEDITERRÂNEO. ALIMENTAÇÃO E GASTRONOMIA MEDIEVAIS realizado em Mértola (5-7 de Maio de 2011).

 Publicação de 3 artigos no catálogo do Projecto TASA “Técnicas Ancestrais. Soluções Actuais” editado pela CCDR Algarve: “Cultura Material no Algarve. A cristalização do objecto artesanal”; “Empreita e cestaria. Entrançados de palma, verga e cana no Algarve”; e “Usos da cana. Para lá do útil. Objetos do festivo, do lúdico e do lazer”.

TASA - foto livro

Exposições

 Concepção e montagem da exposição “Bicharada da serra, do pinhal, do montado e do mar”, no âmbito do Projecto “À Descoberta das 4 Cidades” integrando trabalhos das turmas dos 4 concelhos. Inaugurada no dia 11 de Março, no âmbito das comemorações, esteve patente no Centro Cultural António Aleixo até ao final do mês de Março.

ExposiçãoBicharada das 4 CIDADESExposição Bicharada das 4 Cidades

Montagem da exposição “Casas de Fogo do Algarve Rural” (patente na Biblioteca Municipal Vicente Campinas durante o mês de Março) com trabalhos produzidos nas oficinas realizadas com a comunidade educativa de Vila Real de Santo António no âmbito do projecto “O que comiam os nossos avós? A alimentação no Sotavento Algarvio”.

 Acolhimento da exposição “SÍRIA” com fotografias de Pedro Barros e textos de Álvaro Figueiredo, no CIIPC, Santa Rita. Esteve patente de inícios de Novembro até ao final do ano.

Síria_red

 Continuou entretanto o trabalho de campo e pesquisa documental que estará na base da próxima exposição patente no CIIPC durante 2013, sobre as profissões antigas em Cacela.

Sessões públicas (apresentação de livros, oficinas, projecção de documentários,…)

Apresentação do livro “Fath al-Andalus y la incorporación de Occidente a Dar al-Islam” da autoria de Ahmed Tahiri, na Biblioteca Municipal Vicente Campinas em Vila Real de Santo António, no dia 2 de Março.

Oficina de cinema documental com o cineasta Pedro Sena Nunes, no âmbito do Projecto “Documentar” da Algarve Film Commission, no CIIPC, Santa Rita no dia 17 Fevereiro.

Projecção de documentários sobre actividades tradicionais na freguesia de Vila Nova de Cacela, com a participação de antigos profissionais, produzidos no âmbito do Projecto “Documentar Vila Nova de Cacela” pela Algarve Film Comission (disponíveis aqui), no CIIPC, Santa Rita no dia 30 Novembro à noite.

Apresentação documentário - VNCacela

Dias comemorativos

 Assinalámos o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios (18 de Abril), este ano com o tema Do Património Mundial ao Património Local: proteger e gerir a mudança, com a dinamização de um peddypaper de descoberta do património em torno do túmulo megalítico de Santa Rita “Uma viagem no tempo”, com turma da EB2,3 Manuel Cabanas de Vila Nova de Cacela.

peddypaper.1_red

 Associámo-nos às comemorações das Jornadas Europeias do Património, com a 2ª corrida fotográfica no concelho de Vila Real de Santo António, este ano sobre os “Patrimónios da água”, elementos identificadores do património e paisagem na região.

A corrida realizou-se a 29 de Setembro, e ao longo de um percurso previamente definido, os participantes foram desafiados a registar, ao longo de um dia, conjuntos edificados (noras, fontes, poços, tanques, cisternas, açudes,…), hortas e pomares associados; áreas de valor ambiental e paisagístico ligadas à água; bem como, no domínio do património cultural imaterial, actividades profissionais e saberes-fazeres ligados à pesca, mariscagem, salinicultura e navegação. Participaram 9 concorrentes, com 90 fotografias.
O júri seleccionou, pela sua qualidade fotográfica, e valor patrimonial dos elementos registados, as fotografias: “Privado” de Ana Mónica Moreno (1º Prémio); “Nora” de Maria de Fátima Afonso (2º Prémio); “Poço” de Maria Isabel Gaviño Cabrera (3º Prémio). Decidiu ainda atribuir menções honrosas a: “Marítimo” de Ana Mónica Moreno; “Trabalho em terra” de Maartje Isabelle Vens; e “Depósito” de José Manuel Palma Gonçalves. É intenção da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António expor os melhores trabalhos no início deste ano.

Privado_1º Prémio_red

Trabalho em terra_Menção honrosa_red

Outras actividades de valorização dos saberes e produtos locais 

“Mostra Gastronómica de Cacela “Entre a serra e o mar”. Organizada em colaboração com a ADRIP, a 4ª edição da mostra decorreu entre os dias 16 e 30 de Junho, com o intuito de valorizar saberes e sabores do território de Cacela, entre a serra e o mar, e de promover produtos locais e tradições alimentares em receitas antigas ou novas criações. A mostra foi apresentada à comunicação social e público em geral no dia 16 de junho, no antigo Casino da Manta Rota. Para além da apresentação das ementas, realizou-se uma Vila de Amêijoas, antiga tradição de Olhão.

2012_0616_Mostra Gastronomica de Cacela (174)_red

2012_0616_Mostra Gastronomica de Cacela (269)_red

 Também em estreita colaboração com a ADRIP, realizaram-se mais quatro Mercadinhos na Primavera, Verão, Outono e Natal (25 Março, 8 Julho, 28 Outubro, 9 Dezembro). Artesanato tradicional, novas criações, produtos locais, velharias, trocas & baldrocas e muita animação de rua, foram assinalando o passar das estações nas ruas de Cacela Velha.

Mercadinho.1_red

3. PROGRAMAÇÃO CULTURAL EM CACELA

Este ano, as propostas para a Primavera e Verão fizeram-se de encontros e partilhas em volta das nossas heranças culturais, da nossa História e do nosso património. Integraram um programa estruturado que incluiu música, poesia e passeios.

 No dia 6 de Abril, assinalámos o nascimento da “Lua cheia da primavera no túmulo megalítico de Santa Rita”. Um monumento singular de elevado valor patrimonial e histórico, cuja orientação a nascente, para o horizonte onde despontam os principais astros (o sol, a lua e as estrelas), revela a celebração de uma ordem cósmica que regula os ciclos de nascimento, morte e renascimento da natureza e do próprio homem. Foi neste cenário milenar que, 5 mil anos depois, assinalámos a noite do nascimento da Lua Cheia da Primavera, com uma enorme carga mágico-religiosa para as comunidades pré-históricas, compreendendo: registo fotográfico do nascer da Lua e do pôr-do-sol a partir do túmulo megalítico; conversas curtas à roda da Lua, megalitismo e paisagem; e roda de contos sobre a Lua.

Lua da Primavera (7)_red

 Continuou em Agosto em Cacela Velha o Ciclo de concertos “Clássica em Cacela” já na sua 5ª edição. O ciclo, que organizamos desde 2008, com programação e direcção artística da flautista algarvia Teresa Matias, pretende ser uma alternativa erudita e de qualidade dentro da oferta cultural de Verão do sotavento algarvio, apostando em jovens talentos e em repertórios menos familiares do grande público. Este ano abriu com o acordeonista Gonçalo Pescada, que se apresentou a solo na Igreja da N. Srª da Assunção, no dia 9. Continuou no dia 16, com o quinteto de metais «Quinto Império», no Antigo Cemitério, e encerrou no dia 23 na Igreja, com os virtuosos «Ad Libitum», um trio de cordas liderado pela talentosa violetista Sofia Espiga. A música foi de Vivaldi, Schubert, Beethoven, Piazzolla, Rossini, entre muitos outros.
O evento tem-se vindo a afirmar, com a adesão do público a crescer de edição para edição.

DSC_0025_redDSC_0034_redDSC_0171_red

 No final de Julho Cacela Velha foi palco do encontro de músicas das 3 grandes culturas do mediterrâneo: árabe-andalusi, judaica-sefardita e medieval cristã, com o Ciclo de música “3 Culturas”, co-organizado com a Ibérica – Eventos & Espectáculos. O Cemitério Antigo da vila recebeu 3 concertos por grupos musicais que testemunham antigas heranças musicais do al-Andalus: SEFARDIM – música judaica sefardita (27 Julho); AQUITANIA – música medieval cristã (28 Julho); e IMAN AL KANDOUSI – música árabe-andalusí (29 de Julho).

3 culturas_red3 culturas.2_red

3ª edição da “Poesia na rua” em Cacela Velha no dia 16 de Setembro. A poesia voltou às ruas de Cacela pelo terceiro ano consecutivo, chamando muitas pessoas que puderam, de manhã, participar em actividades infantis (histórias que rimam, peixinhos poéticos, caça ao poema); durante a tarde, ouvir falar sobre Almada Negreiros, participar na apresentação de duas antologias poéticas recentemente editadas “Algarve: 12 poetas ao sul do séc. XXI” e “Poetas do Guadiana”, homenagear António Ramos Rosa; ao fim da tarde, acompanhar um percurso poético pelas heranças poéticas do al-Andaluz evocando Ibn-Darraj, al-Mu’tamid, Ibn-Ammar; e à noite participar nos “poemas ao ritual da Igrejinha”, um momento festivo que já faz tradição, juntando poetas e Banda Filarmónica de Vila Real de António. Muitos sentaram-se no largo da fortaleza lendo os muitos livros de poesia disponíveis junto aos cadeirões, passearam-se pelas ruas lendo os poemas que pendiam nas paredes ou presos nos estendais da poesia ou compraram livros no mercado que animou a vila.

Poesia rua (1)_red

Poesia rua (5)_redPoesia rua (4)_redPoesia rua (2)_red

4. EDUCAÇÃO PARA O PATRIMÓNIO

Conclusão do projecto educativo: “O que comiam os nossos avós? A alimentação no Sotavento Algarvio”. Que influências deixaram romanos e árabes na nossa cozinha? De que forma o que comemos se relaciona com os recursos disponíveis no território e a sua exploração? Que trocas de produtos se estabeleciam em tempos idos entre os pescadores do litoral, os camponeses do barrocal e os montanheiros? Como é que a sazonalidade e o ciclo agrícola marcava a alimentação ao longo do ano? Como se conservavam os alimentos do mar e da terra? O que se comia e como se comia nos dias festivos (o Entrudo, a Páscoa, os Santos Populares, o Dia de Todos os Santos, o Natal,…)? Como eram as nossas cozinhas, como que se cozinhava no lume de chão junto à chaminé e o que se cozia no forno de lenha? Que recipientes e utensílios se utilizavam para a preparação dos alimentos e às refeições? O que resta do nosso antigo receituário na memória dos mais velhos? Foram algumas das questões a que crianças, professores e familiares de Vila Real de Santo António, ao longo de dois anos.
O projecto explorou, em 2011 e 2012, com o envolvimento activo de 30 turmas, antigas tradições alimentares, na sua ligação ao território, ciclo agrícola e calendário festivo. Arrancou com a apresentação de diaporama sobre a alimentação no Algarve e com a entrega de fichas de recolha de receitas e guiões de entrevista que as crianças aplicaram junto de familiares. Saídas de campo propiciaram contacto com alguns dos mais importantes ciclos alimentares da região (o pão, o azeite, o porco, a sardinha, o atum e a sua conserva, o figo, os citrinos, o leite e o queijo, o mel, os doces de amêndoa, as compotas…). O projecto contou ainda com sessões de conto popular e tradições orais relacionados com a alimentação. Nas oficinas “Casas de fogo” as crianças foram desafiadas a criar miniaturas de antigas cozinhas da nossa região, desde a estrutura das chaminés ao mobiliário e utensílios. No mini-curso “Cozinha dos avós”, ao longo de 3 aulas, os avós partilharam e confeccionaram com os mais novos algumas receitas como açorda de galinha, carapaus alimados, xarém com conquilhas, barriga de atum com feijão branco, doces de laranja, amêndoa e figo, filhoses, empanadilhas de batata-doce…

Caracois (1)_red

No final do ano, em cada escola envolvida foi afixado um poster sintetizando as principais actividades do projecto, com o intuito de devolver às crianças, professores e famílias o trabalho desenvolvido (clique aqui para visualizar o poster). Está entretanto em preparação a edição de um livro (numa primeira etapa em formato digital) ilustrado pelas crianças sobre antigas tradições alimentares.

Continuação da dinamização da acção educativa no âmbito do projecto “À Descoberta das 4 cidades” com o tema “Bicharada, ervas e Companhia. À descoberta da fauna e flora das 4 cidades”. Para além da coordenação técnica da acção educativa nos 4 concelhos, Vila Real de Santo António organizou com as 3 turmas envolvidas da EB1 de Santo António e EB1 Caldeira Alexandre as seguintes actividades: 4 oficinas de artes sobre bichos e seus habitats; Montagem da Exposição “Bicharada da serra, pinhal, montado e mar” no CCAA por ocasião do 11 Março; acompanhamento do trabalho produzido pelas escolas envolvidas; e participação nas reuniões do projecto.

 Ao longo do ano, e especialmente no Verão durante as férias, dinamizaram-se diversas actividades lúdico-pedagógicas na área do património. Com o Projecto Escolhas – dinamização de peddy-paper e manhã de jogos tradicionais; Com as Férias Divertidas de Monte Gordo – dinamização de peddy-paper; manhã de jogos tradicionais; visita a Cacela Velha; e escavações na caixa arqueológica; Com o Cantinho dos Sábios – escavações na caixa arqueológica; Com o Programa de ocupação de tempos livres do Gabinete de Juventude da C.M. Municipal de Albufeira – dinamização de Peddy-Paper; e visita a Cacela Velha. E ainda continuação da colaboração com a ASMAL-Associação de Saúde Mental do Algarve com as sessões: apanha e confecção de bivalves; e construção de brinquedos populares.

brinquedostradicionais_red

 Pouco antes do Natal, período em que os brinquedos industriais dominam, propusemos a pais e filhos uma viagem às infâncias de antigamente onde a imaginação e o engenho eram os principais ingredientes para a brincadeira. Decorreu no CIIPC a 9 de Dezembro uma Oficina de Brinquedos onde crianças e familiares puderam aprender a construir animais e bonecos de cortiça, bolas de trapos, fantoches e bonecos de meia, porquinhos de bolota, bonecas de cabeças de grão, ovelhas de lã, barquinhos de noz,…

Oficina brinquedosOficina brinquedos

5. TRABALHO EM REDE

 O CIIPC/CMVRSA, enquanto núcleo estruturante do futuro Museu Municipal de Vila Real de Santo António (em projecto), integra desde 2008 a Rede de Museus do Algarve, continuando a participar activamente nas reuniões gerais, na dinâmica dos grupos de trabalho entretanto constituídos, e desde Setembro voltou a integrar por mais um ano o grupo coordenador da Rede.
Está ainda envolvido no projecto conjunto “Pioneiros do conhecimento científico no Algarve” em curso até ao final de 2013, que deu já origem a 3 exposições nos museus do algarve. O CIIPC/CMVRSA tem em preparação 2 artigos sobre o tema para publicação on-line no site da Rede.

 Também numa lógica de trabalho em rede, o CIIPC acompanha a 2ª fase do Projecto “Técnicas Ancestrais, Soluções Actuais (TASA), tendo participado em diversos momentos de encontro dos parceiros e viu com muita satisfação a publicação do catálogo do projecto neste Verão. Com uma concepção que reflecte a filosofia do projecto de a partir de materiais locais / técnicas artesanais criar artefactos com uma linguagem contemporânea, a publicação mistura imagens antigas sobre as artes tradicionais do Algarve, a preto e branco, com imagens profusamente coloridas dos produtos criados pelo projecto. De destacar os textos dos investigadores (três da autoria da equipa do CIIPC), sobre as artes e os artesãos participantes.

 E por último, porque os livros que mexemos e as palavras escritas fazem parte do património de todos nós, o CIIPC deu continuidade à colaboração com a Biblioteca Municipal Vicente Campinas (VRSA) e ADRIP com vista à dinamização do Clube de Leitura “Livros mexidos”.

EXPOSIÇÃO “SÍRIA”

Expo Síria

Inaugura no próximo dia 9 de Novembro, pelas 18.00, no Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela, na Antiga Escola Primária de Santa Rita (Vila Real de Santo António), a exposição “SÍRIA” com fotografias de Pedro Barros e textos de Álvaro Figueiredo.

Esta exposição convida a mergulhar na história milenar de um país de uma grande diversidade cultural, parte do chamado Crescente Fértil, onde as origens da agricultura e da vida sedentária se desenvolveram há cerca de 10.000 anos e onde mais tarde, a partir do V-IV milénios a. C., ao longo do vale do Eufrates, surgem as primeiras cidades e se dão os primeiros passos no desenvolvimento da escrita. A situação geográfica da Síria, entre a costa do Mediterrâneo, a ocidente, e o vale do Eufrates, a oriente, permitiu ainda o desenvolvimento, através dos séculos, das grandes rotas comerciais entre a Ásia e o mundo mediterrânico.

As imagens registadas pela objectiva de Pedro Barros convidam-nos ainda a viver a Síria presente, nas suas gentes e costumes, nas cidades árabes de Aleppo e Damasco, por entre edifícios com séculos de história mas ainda em utilização. No encanto do canto do muezzine que dos altos minaretes convida o crente para a oração. Ou ainda nos cafés, onde entre os aromas exóticos do café e tabaco e o borbulhar do fumo do narguileh (cachimbo d’água), ouvimos o contador de histórias a declamar os épicos de Alexandre ou do famoso herói Antar.

As fotografias são legendadas por pequenos textos explicativos, da autoria de Álvaro Figueiredo, especialista em Arqueologia do Próximo e Médio Oriente Antigo, e Língua Árabe.

Pedro Barros nasceu em Lisboa em 1975. Exerce atualmente a profissão de Arqueólogo na Direção-Geral do Património Cultural. Como fotógrafo tem no seu curriculum diversas exposições individuais, como: “Foz Côa – o silêncio de um vale” (1996 – 2002, Lisboa, Mafra e Barcelona); “Marionetas” (1998 – 2004, Lisboa); “Ganhões” (2000 – 2002, Lisboa, Castro Verde, Tavira, Silves, Fortaleza de Sagres, Pontedera / Itália e Barcelona); “Amêndoas da Páscoa” (2001 – 2004, São Brás de Alportel, Fortaleza de Sagres e Castro Verde); e “Cortiça – Entre a Serra e o Mar” (2003 – 2010, Moita, Redondo, São Brás de Alportel e Silves).

A exposição estará patente no CIIPC até 30 de Dezembro de 2012 e pode ser visitada de segunda a sexta-feira das 9.00 às 12.30 e das 14.00 às 17.00.

No dia da inauguração está presente o fotógrafo Pedro Barros que partilhará com os presentes as suas experiências de viajante / fotógrafo na Síria. A conversa será acompanhada por chá e sonoridades orientais.

Informações

Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela / Câmara Municipal de Vila Real de Santo António

Antiga Escola Primária de Santa Rita

Tel. / Fax: 281 952600

ciipcacela@gmail.com

https://ciipcacela.wordpress.com/